top of page

Neste tempo que é só meu

Abraçar a natureza é como nos encontrar


É ter o sol, o ar, a água e a terra na ponta dos dedos


É usarmos os sentidos embalar o mar sorrir com as estrelas e respeitar a terra


Neste copo (que já vai a meio) encontro as minhas dores e as minhas alegrias Estou capaz de dizer ao mundo que este tinto sou eu


Vou driblando o fogo enquanto o pensamento se extravia para um lugar com raízes profundas para onde os pássaros cantam e rasgam o céu sem medo para onde se parou a verdade do sustento ao deixar os cachos secos na parreira e a azeitona por apanhar


São outros os tempos a correria do que vem depois de amanhã leva-nos a esquecer o que é importante hoje


É assim que se envelhece é assim que se aprende a vida neste tempo que é só meu.



2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Pontes

bottom of page